Maconha pode ser usada contra enxaqueca

Pesquisa realizada nos EUA aponta que uso de THC e CBD é mais eficaz do que os remédios convencionais.

Uma recente pesquisa realizada nos EUA aponta que canabinoides são mais eficazes para reduzir frequência de dor aguda da enxaqueca do que os remédios convencionais, além de produzirem menos efeitos colaterais. As informações foram publicadas no site da revista Forbes.

+ Extrato de cannabis pode rejuvenescer cérebro

O estudo teve duas fases e incluiu um total de 127 participantes que sofrem de enxaquecas crônicas e das chamadas cefaleias em salvas – dores de cabeça severas que ocorrem em um lado da cabeça, muitas vezes ao redor de um olho. A dor de enxaqueca geralmente afeta os dois lados da cabeça e muitas vezes é acompanhada de náuseas e sensibilidade à luz.

Na primeira fase, os pacientes com enxaquecas crônicas e agudas receberam doses de um fármaco desenvolvido pelos pesquisadores que combinou dois compostos ativos na maconha: tetrahidrocanabinol (THC) e canabidiol (CBD). Os resultados mostraram que aqueles que receberam uma dose de 200 mg por dia durante três meses sofreram significativamente menos dor (cerca de 55%) do que quando tomaram remédios convencionais.

A segunda fase do estudo incluiu tanto aqueles que sofrem de enxaqueca crônica quanto aqueles que sofrem de cefaleias em salva. Os pacientes com enxaqueca receberam o fármaco THC-CBD ou 25 miligramas de amitriptilina, um antidepressivo frequentemente utilizado para tratar enxaquecas. Já as pessoas com cefaleia receberam o fármaco THC-CBD ou 80 miligramas de verapamil, um bloqueador de canais de cálcio frequentemente prescrito para este tipo de problema de saúde.

Os resultados mostraram que o medicamento THC-CBD foi ligeiramente melhor na redução da frequência de ataques de enxaqueca do que a medicação comumente prescrita (40,4% versus 40,1%, respectivamente), mas foi muito eficaz na redução da dor de enxaqueca, diminuindo-a em 43,5% dos casos.

A droga também foi eficaz na redução da dor dos que sofriam da cefaleia em salva, mas apenas no grupo de pacientes que já tinha um histórico do problema desde a infância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *