Maconheiros fazem mais sexo, diz pesquisa

Estudo foi realizado na Universidade Stanford e entrevistou mais de 50 mil americanos.

Uma pesquisa realizada na Universidade Stanford (EUA) chegou a uma conclusão bem polêmica para os proibicionistas: quem usa cannabis com regularidade pratica mais sexo. A pesquisa analisou dados de mais de 50 mil americanos, com idades entre 25 e 45 anos, e foi publicada nesta sexta-feira (27) pelo periódico Journal of Sexual Medicine.

+ Saiba como a cannabis pode melhorar o sexo
+ Pesquisa de Havard diz que maconha te deixa mais esperto

“O uso da maconha é muito comum, mas seu uso em larga escala e associação com a frequência sexual não havias sido estudados de forma científica”, declarou Michael Eisenberg, professor assistente de urologia em Stanford e coautor do estudo. Ele ressaltou ainda que o estudo foi feito com pessoas de “ambos os sexos e todas as raças, idades, níveis educacionais, religiões, classes de renda, estados de saúde, se eram casados ou solteiros ou se tinham ou não filhos”.

Entre as mulheres, as que responderam não terem usado maconha tiveram em média 6 relações sexuais nas quatro últimas semanas antes da pesquisa, já entre as usuárias regulares da droga a média foi de 7,1 transas. Entre os homens, as médias foram de 5,6 para não usuários e 6,9 para usuários diários. Dessa forma, os usuários de maconha têm, em média 20% mais relações sexuais que abstêmios.

Metodologia

Para conseguirem chegar a esta conclusão, os cientistas recorreram à Pesquisa Nacional de Crescimento Familiar, conduzido pelos Centros Nacionais de Controle e Prevenção de Doenças. Entre os dados coletados estão o número de vezes que os entrevistados fizeram sexo nas últimas quatro semanas e a frequência de uso da maconha nos últimos 12 meses.

Os pesquisadores compilaram dados coletados em todos os anos desde 2002, na faixa etária entre 25 e 45 anos. Foram analisadas informações de 28.176 mulheres e 22.943 homens, sendo 14,5% delas responderam fazer uso da maconha, assim como 24,5% dos homens. Os resultados indicaram uma associação positiva entre as frequências do uso da maconha e as relações sexuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *